Fasubra Sindical

Switch to desktop Register Login

V Seminário Unificado de Imprensa Sindical será em Brasília-DF

 

As inscrições encerram no dia 26 de agosto.

Brasília-DF vai sediar a quinta edição do Seminário Unificado de Imprensa Sindical, nos dias 14 e 15 de setembro. O evento organizado por entidades que compõem o Fórum Unificado de Comunicação Sindical será realizado em parceria com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJDF), no Hotel Brasília Imperial.

A capital federal recebe pela primeira vez o seminário nacional que concentrou as primeiras edições no sul do país. O SJDF trouxe o evento para a região central do país, possibilitando alcançar o maior número de participantes.

Público-alvo

Diretores de sindicatos, profissionais da imprensa, estudantes e demais interessados em fazer a disputa de hegemonia via comunicação sindical podem participar.

Será um importante espaço para debates e troca de ideias, tão fundamental diante dos desafios que vive hoje a imprensa sindical. O evento conta com representantes de diversos estados brasileiros e palestrantes de referência nacional, promovendo o debate e ações importantes sobre o assunto.

O V Seminário Unificado de Imprensa Sindical é um importante espaço de formação para jornalistas, dirigentes sindicais e estudantes de comunicação.

Inscrições

As inscrições para o Seminário, que darão direito a almoço, foram fixadas em R$ 250,00 para dirigentes e jornalistas e R$ 125,00 para estudantes. A inscrição vai até o dia 26 de agosto e pode ser feita aqui: https://goo.gl/cEfTYm

 

Serviço

V Seminário Unificado de Imprensa Sindical

Data: 14,15 e16 de setembro de 2017

Local: Hotel Brasília Imperial

 

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

FASUBRA Sindical participa de audiência pública sobre projeto que prevê a revogação de estabilidade dos servidores públicos

      

O plantão da Fasubra compareceu, em 15/08/2017, à Audiência Pública sobre o o PLS 116/2017, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) do Senado Federal. O senador Lasier Martins (PSD-RS) é o relator do projeto que foi originalmente apresentado pela senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE). Na proposta da senadora, servidores públicos estáveis - aqueles que já passaram pelo estágio probatório e foram aprovados - poderão perder seus cargos caso tenham mau desempenho no trabalho.

 

Foram convidados os especialistas em contas públicas José Matias Pereira, da Universidade de Brasília (UnB); Gil Castelo Branco, da entidade Contas Abertas; Raul Veloso; os sindicalistas Petrus Elesbão, do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (SINDILEGIS); Adriana, Advogada  da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União (FENAJUFE); e Rogério Expedito, da Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (CONDSEF). José Matias Pereira, Gil Castelo Branco e Raul Veloso justificaram suas ausências. 

 

 Este nefasto projeto é uma cortina de fumaça para desviar o olhar da população da derrocada moral do governo e jogar na fogueira política os trabalhadores do serviço público. Os palestrantes argumentaram que a garantia de estabilidade no Serviço Público é a Lei 8112, que deve ser defendida. Ela garante o concurso público, o trabalho correto e honesto, o poder de denunciar a corrupção e privilégios que os governantes consideram seus direitos.

 

Os políticos fizeram a reforma trabalhista para os trabalhadores CLT e para o serviço público que possui trabalhadores celetistas e terceirizados. A demissão pode, inclusive, ser uma forma de assegurar o coronelismo nas pequenas cidades, e o apadrinhamento, entre outras barbáries que ocorrem também no serviço público. Se aprovada a proposta, servidores públicos municipais, estaduais e federais terão seu desempenho aferido anualmente. Caso recebam notas inferiores a 30% da pontuação máxima por quatro avaliações consecutivas, serão exonerados. Também perderá o cargo aquele que tiver desempenho inferior a 50% em cinco das últimas dez avaliações.

 

O projeto garante aos servidores o direito de pedir a reconsideração das notas, bem como de apresentar recurso ao órgão máximo de gestão de recursos humanos da instituição em que trabalha. Eventual exoneração ocorrerá apenas após processo administrativo, instaurado depois das primeiras avaliações negativas, com o objetivo de auxiliar o avaliado a identificar as causas da insuficiência de desempenho e superar as dificuldades encontradas.

 

A senadora Maria do Carmo, na justificativa do projeto, ressalta que "deve ficar claro que não se trata aqui de punir os bons servidores, que merecem todo o apoio legal para bem cumprir seu mister. Trata-se de modificar o comportamento daqueles agentes públicos que não apresentam desempenho suficiente, especificamente daqueles que recebem ajuda da chefia imediata e do órgão de recursos humanos da sua instituição, mas, mesmo assim, optam por permanecer negligentes".

 

Para a FASUBRA, ser contrário à aprovação do projeto não se trata de defender maus servidores. Já existe diversas leis que normatizam a demissão, em caso de insuficiência de desempenho e outros problemas. Porém, a Federação considera que a avaliação de desempenho pode ser influenciada por outros fatores que não o técnico, a imparcialidade e a neutralidade.  No serviço público, pode acontecer de um grupo político de plantão, que possui suas chefias indicadas, avaliar negativamente o servidor que, por exemplo, não pertencer ao grupo que estiver no poder. Este poderá ser perseguido e ter comprometido não apenas suas avaliações, mas também os recursos contra os resultados da avaliação. Esta pode ser, inclusive, uma estratégia do governo para justificar demissões em massa. 

 

A Federação continuará acompanhando todos os trâmites do projeto e, desde já, considera que esta é uma medida extrema para o serviço público, fazendo parte da série de ataques que vem ocorrendo contra a Classe Trabalhadora e, em especial, os servidores.

 

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

 

FASUBRA participa de Audiência Pública chamado pela Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais

 

Hoje, pela manhã, no Plenarinho 14 da Câmara dos Deputados Federais, no Congresso Nacional, em Brasília, aconteceu uma Audiência Pública chamada pela Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais.

Organizamos nossa intervenção no papel miserável da mídia brasileira, na desinformação, privilegiando o desmonte do serviço Público e, em especial, da Universidade. Colocamos que a cada Universidade que se manifesta divulgando a sua situação econômica na perspectiva de fechar as portas, a mídia vai para as portas das universidades desvirtuar a opinião pública sem se aprofundar nos verdadeiros motivos que levou aquela universidade às necessidades financeiras, culpabilizando-a. Lembramos também que os trabalhadores em Educação se encontram em uma situação de falta de pessoal, com o congelamento de concursos públicos, na lógica da PEC do Fim do Mundo, e da ampliação da terceirização.

Impossível falar de Educação e não citar os Hospitais Universitários que sofrem represália por não aderirem aos encantos da terceirização e privatização dos serviços hospitalares, com as EBSERH, e com o massacre a educação pública, como querem os grandes conglomerados financeiros da Educação e Saúde privadas. O que justificará, no futuro, a entrega do patrimônio das universidades. Este desmonte está se constituindo com a anuência de 70% do Congresso Nacional e Senadores.

Não bastasse tudo isso, o Governo Temer anunciou a retirada das garantias trabalhistas do Executivo, poupando o Legislativo e Judiciário, alegando não ter autonomia dos demais poderes. As mudanças alcançarão os benefícios, como o auxílio-alimentação e saúde, além da Licença sem Vencimento. Também elaborou um PDV, promovendo a instabilidade no serviço público. Isso dentre outros ataques ao trabalhador, que já possui, a muito tempo, o menor salário e benefícios do Serviço Público. Tudo isto vem atrelado aos desmontes da educação pública e, se os parlamentares não se manifestarem, estaremos fadados ao fracasso na defesa do Serviço Público.

 

Direção Nacional FASUBRA Sindical

Relação dos candidatos a gerente da FASUBRA

Vaga aberta - web

 

A FASUBRA Sindical agradece todos (as) os (as) trabalhadores (as) que enviaram seus currículos para análise e seleção para ocupar o  cargo de administrador (a) / Gerente.

Relação dos trabalhadores (as) selecionados(as) para entrevista de acordo com Edital publicado em 31/07/2017 no jornal Correio Brasilense:

 

Dia 21/08/2018

 

13 horas: Dulcimar Cunha de Sousa Aidar

14 horas: Valdimar Fernandes da Cunha

15 horas: Wellyngton Francisco dos Santos

16 horas: Rosângela Maria Costa Holanda de Carvalho

17 horas: Dayan Santos Ferreira

18 horas: Demontier Camelo da Silva

 

Dia 22/08/2017

 

09 horas: Alice Santos Basso

10 horas: Flavia Santos Lopes

11 horas: Francinaldo Teotônio de Sousa

14 horas: Andréa Magna Teixeira Silva

15 horas: Elzimar Ferreira dos Santos

16 horas: Loiane dos Santos Gonçalves

17 horas: Manuel Willian Silva Rodrigues

 

 

Endereço da sede da FASUBRA, no  SCS - Quadra 6, Bloco A, Lote 157 - 2º andar - Salas 205/206/207/208 – Edifício Bandeirantes, nº 240. 

 

 

Qualquer dúvida:

E-mail:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Telefone: 33499151

SOLIDARIEDADE AOS DEMITIDOS DA UNIRIO

 

 

Unirio - Sindicalistas web

A FASUBRA sindical está disponiilizando uma conta bancaria para que outras entidades e apoiadores dessa campanha possa contribuir. Os companheiros da Unirio precisam desse aporte financeiro para que possamos seguir firmes na campanha de reintegração.
 
Numero da Conta:

Contribuições

Caixa Econômica Federal

Agência - 0004

Operação 013

Conta Poupança - 18709-0

CNPJ: 08.485.179/0001-26

Essa luta conta com o esforço de todos nós!
 
 
Saudações sindicais
 
DN FASUBRA